Essa é minha história. Não importa para mim se irá ou não acreditar nela. Também não me importo com qualquer outra coisa. Peço-lhe, apenas leia.

Vinte e nove.

   No dia do tal jantar, fiquei muito apreensivo, como não ficava há tempos. Acho que todos já sentiram o que senti. Aquele frio imenso na barriga, misto com uma sensação intensa de correr, gritar, sumir. Estava muito nervoso.
   Enkil - que passara a noite sendo Ícaro - chegou alguns minutos antes do combinado; vestia-se socialmente, porém sem muito luxo. Mario recebeu-o seco, coisa muito incomum - normalmente era simpático aos extremos.
   - Então você é o famoso Ícaro que anda tomando tanto tempo de meu sobrinho? - disse ele, com um sorriso propositalmente falso.
   Tirando algumas indiretas aqui e ali, por parte de meu tio, o jantar ia muito bem, obrigado. Enkil estava sendo muito gentil, sempre com respostas inteligentes, dizendo que nossa amizade se devia ao fato de ambos terem boa sintonia quando o assunto era música e conhecimentos gerais. Eu evitava falar muito - temia dizer algo que acabasse com o jogo todo que Enkil inventava. E, se querem saber, parece que não sentiram falta de minhas palavras.
   Já estávamos nos servindo da sobremesa - torta de sorvete de morango com chocolate, realmente boa - quando meu tio, sem mais delongas, deu seu veredito:
   - Bom, senhor Ícaro, vejo que não é de fato má pessoa, e que não possui más intenções. Porém, tente entender meu lado. Não é de boa conduta que você e meu sobrinho fiquem se encontrando em sua casa, principalmente tarde da noite. E eu, como guardião de Rafael, tenho total direito de proibi-lo de algumas coisas, sendo que ele ainda não é um homem. Então, lhe peço que, quando desejar falar com meu sobrinho, venha até em casa, onde sempre será bem recebido.
   É claro que Enkil não ficou feliz com isso. Porém, só sobrou à ele aceitar. O jantar acabou com um certo quê de desentendimento. E nenhuma manifestação de opinião minha.

9 comentários:

  1. Pois é Lelio, parece que voltou a escrever.
    Fico feliz, ao menos por aqui, suas mentiras não magoam e nem destroem ninguém.
    Ao contrário, nos encantam.
    É, alguma qualidade você teria que ter, né. (:

    ResponderExcluir
  2. Finalmente novos capítulos incríveis. Esperei tanto para lê-los...
    E de novo, meus parabéns, está magnífico como sempre!

    ResponderExcluir
  3. Nossa! Você escreve muito bem.Ansiosa para o próximo capítulo...

    ResponderExcluir
  4. *-* Rayane *-* you1 de julho de 2012 12:57

    Escreve mais para a gente!

    ResponderExcluir
  5. Queremos o próximo capitulo

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Ola, Rafael. Não sei se lembra de mim, mas me chamo Ana Paula, a tal que você dedicou o capitulo 19. Sinto saudade de nossas conversas durante a madrugada, e principalmente sinto falta de ver você escrevendo. Um talento como o seu merece ser mostrado. Não intendo porque você sumiu, e nem sei se você ainda olha o que postam aqui, mas mesmo assim vou arriscar e deixar essa mensagem. Gostaria muito de receber noticias suas, então se decidir entrar em contato sabe como falar comigo.

    ResponderExcluir
  8. Gente, achei esse blog ha pouco tempo, estou apaixonada pela historia... Pelo visto varias meninas mantinham contato com o autor, então alguém poderia me mandar o e-mail dele? Preciso conhece- lo!

    ResponderExcluir